Posted in Uncategorized by Vinícius . on outubro 24, 2009

Essa música tá tocando meu corpo, sabe? Me tirando pra corda, dedilhando meus nervos. Eu rasgo a sinfonia, quando teimo. “Nem você é minha voz nem eu tuas cordas vocais, pô”.

Mas ela quer a propagação do meu suor, o tremer dos meus dedos na superfície gelada, ser tocada como toca meu coração suas palavras.

Minha voz está aqui, nítida, em algum lugar, mas ela possui minhas falas, pra que eu fale de amor como ela fala de guerra.

Guardo uma nota pra ti, sabe, pra quando você cansar do silêncio. Amanhã, você será eu, implorando pela ausência do que dizer, na plenitude do quieto.

Posted in Uncategorized by Vinícius . on outubro 24, 2009

Porque amar é mais um jogo em que perdemos a direção depois da derrota. Amar é tão amplo quanto o que se sente ao abraçar. Porque nunca se sabe como e quando se vai amar. Quando ser amado, odiado, detestado, quando?

Posted in Uncategorized by Vinícius . on outubro 22, 2009

O mundo vai sempre desfazer teus artifícios. Não importa o quanto você tenha a quem mostrá-los ou o quanto você faça isso bem. No seu rosto estará estampada a vergonha de ser artificial.

Você procura um estranho, a que custo? Isso inclui ele ser tão artificial quanto você?